Recentemente, a minha mãe começou a usar o smartphone como já todos usamos há uma série de anos. Coincidência ou não, há coisa de umas semanas, convidou-me para almoçar. Tudo bem até aqui, certo? Lá fui eu todo lampeiro com duas certezas na cabeça: vou comer que nem uma besta e trazer um saco com frutas e legumes. Quando acabei de comer, tive de ir descansar no sofá porque comer cansa. E quando dou por mim, tenho um smartphone melhor que o meu nas mãos.

"Já viste o meu novo telemóvel?" - disse a minha mãe no tom mais arrogante possível.

Tenho 35 anos e a minha mãe, pelos vistos, tem 16.

"Vê lá se está tudo bem com isso..." - ouvi eu de seguida.

Não percebi bem o sentido da pergunta.

 

"Mas está tudo bem com o quê?" - respondi.

"Se está tudo bem. As coisas que estão aí no meu telemóvel novo!" - disse-me.

Como era de esperar, tinha a rede de dados, o wifi e o GPS ligados dentro de casa. "Tens muita coisa ligada que não precisas e isto gasta imensa bateria!" - disse-lhe eu armado em bom (só para ela ver com quem estava a lidar).

"ESPERA. COMO É QUE ISSO SE FAZ?" - perguntou em pânico depois de meter os óculos. Mostrei-lhe.

"Faz lá isso outra vez!" - disse ela.

Mostrei-lhe novamente.

"E as outras coisas? Está tudo bem? A câmara de 13 megahds? Já viste essa câmara? É de 13 megahds." - disse-me.

"Megapixels. Diz-se megapixels. Megahd não existe..." respondi.

"Vê lá ai o alarme. Está tudo bem com o alarme?" - perguntou.

Já estava a ver onde é que isto ia dar: ela não sabia configurar a merda do alarme do seu smartphone novo com câmara de 13 megahds. Mostrei-lhe como se configurava, ligava e desligava.

"É que essa merda começou a tocar às 4 da manhã do outro dia e eu tive de vir para a sala antes que o prédio inteiro acordasse. Pronto, já percebi. Está aqui um saco com frutas e dois pares de meias da praça, gosto muito de ti e adeus!" - disse-me toda contente a sair da sala com o smartphone nas mãos.

Foi aqui que eu me apercebi que a única razão de eu ter sido convidado para almoçar foi para a ensinar a desligar o alarme das 4 da manhã do seu novo smartphone com câmara de 13 megahds. Antes de ir embora perguntei-lhe se sabia fazer emojis.

"O que é isso?" - perguntou curiosa.

"É tipo uma cena bué jovem e cool. Todos adoram emojis. Carregas aqui e podes meter bonecos. Olha aqui este sapinho que podes usar. É giro, não é? E este urso? Diverte-te."

A voltar para casa, notificação do Messenger e surpresa das surpresas: uma mensagem com um emoji de um urso e de um sapo. Aposto que o alarme já está outra vez para as 4 da manhã.

T-shirts

t shirts do ruim

T-shirts do Ruim na loja online do Cão Azul.

COMPRAR T-SHIRTS

O Livro do Ruim

livro do ruim

A compilação dos melhores textos da página e com prefácio do não tão conhecido Quimera.

COMPRAR O LIVRO

Quem?

ruim o rui conceicao

O auto-proclamado autor, guionista, blogger e comediante.