Deve ter sido há coisa de pouco mais de um ano que estava a caminho de uma entrevista de emprego com aquele look "jovem profissional" de chino's, blazer meia estação e aquela espécie de calçado híbrido entre um téni e um sapato #modernices. Nas galerias da estação de Metro e em passo acelerado, passo por um anão. Mas atenção. Não era um anão qualquer. Pequenino #uau, de barba comprida e todo engravatado com uns suspensórios fantásticos que lhe davam ar de ter saltado de uma embalagem de Lucky Charms. Um anão já chama ligeiramente a atenção, mas todo aquele aparato visual deu um charme extra à coisa. Justamente quando eu estou a olhar para baixo e os nossos olhares se cruzam, ele estica-me a mão. Assim do nada.

"Estás bom? Como vai isso? - diz. 

"Ah, então como é que... " - balbucio.

 

Sabem quando alguém vos cumprimenta e vocês não se estão a recordar de onde é que conhecem a pessoa? Pois isto ainda é pior. Garantidamente eu ia lembrar-me aqui do Bilbo Baggins caso o conhecesse. Mas porque raio estava eu ainda a dar ar de "há tanto tempo que não te vejo..."? Não sei. Deixei ir.

"Olha miúdo... estás feliz? Espero bem que sim. E boa sorte para ti. Muita. Lembra-te sempre de ser feliz...! "

Disse isto em passo acelerado a afastar-se. Fiquei estático. Sem saber o que pensar. Aquela pessoa pequena parece que me tinha conhecido de alguma vida anterior. Parecia aquele filmes dos 80's em que um gajo tem uma visão qualquer e no outro dia acorda no corpo do pai e tem de enfrentar uma data de desafios e acaba tudo nalguma lamechice de pai e filho e levam com um raio em cima que os volta a meter a consciência no corpo certo. Ou alguma merda parecida.

Hoje. 19 Abril de 2016.

A caminho do Frankie's (ver foto anterior, lamber os lábios), saio na Cidade Universitária junto com a cara metade. Ele vai a entrar no metro. Algo mais sóbrio mas era ele. Olhamos novamente e, apesar daquela conexão não ter ocorrido novamente, ele sorriu entre dentes.

Fiquei a olhar para a carruagem do metro a ir.

"O que foi? Estás a olhar para onde?" - oiço.

"O meu anão. Foi um anão que conheci há cerca de um ano, tinha um fato e usava uns suspensórios giros, passou por mim e disse que eu deveria ser feliz. Agora passou aqui por mim. Agora mesmo. Incrível!" - respondo.

"Tiveste a dar na branca, não tiveste?"

Não se consegue explicar.

T-shirts

t shirts do ruim

T-shirts do Ruim na loja online do Cão Azul.

COMPRAR T-SHIRTS

O Livro do Ruim

livro do ruim

A compilação dos melhores textos da página e com prefácio do não tão conhecido Quimera.

COMPRAR O LIVRO

Quem?

ruim o rui conceicao

O auto-proclamado autor, guionista, blogger e comediante.