#mãedoRuim

  • Sobras de lombo de porco na casa da mãe.

    "Filho, não queres levar este restinho?" (restinho = meio porco)

    "Não, mãe. Deixa. Fica para ti..."

    "Oh meu amor mas estás tão magrinho. Toma. Levas aqui e podes dividir com os amigos do trabalho. A mãe gosta muito de ti."

    Primeira morada: frigorífico.

    Tupperware faz viagem de Fertagus. Lombo de porco comido à pressa a uma terça-feira. Tupperware faz nova viagem de Fertagus. Máquina de lavar loiça com ele e lá habita uns tempos.Tupperware lavado e arrumado junto dos outros 43 com a tampa semi encaixada mesmo a pedir para cair lá para trás dos outros tupperwares.

  • … estar sempre magrinho aos olhos dela. “Come mais um bocadinho, meu amor. Estás tão magrinho. Queres uma bananinha por cima disso? Ou mais um prato de feijoada? Um panadinho no pão? A mãe faz!”

    … é ir almoçar para um olá e dois dedos de conversa e voltar com um saco cheio de tupperwares e produtos hortícolas.…

    ... é ser sempre defendido nos piores casos possíveis da melhor maneira possível. “O meu menino é um pouco traquinas, mas ela também assim vestida estava mesmo a pedi-las, senhor doutor amor Juíz. Quer uma bananinha por cima dessa sentença? Ou um pratinho de feijoada? Um panadinho no pão? A mãe do réu faz!”

    ... é receber pares de meias de inverno em pleno mês de verão porque “estavas a precisar, meu amor”.

    … é na cabeça da nossa mãe, vestir o mesmo número de roupa aos 30 que se vestia aos 10 e ainda gostar de usar boxers das Tartarugas Ninja.

    ... é ter uma namorada espantosa que trata bem o seu menino e ex-namoradas vacas de merda que

    ...
  • Mães ao telefone a serem mães de pessoas que não são suas filhas:

    "Olá, filho. Tudo bem?"

    "Sim, mãe. Estou a trabalhar até tarde hoje...."

    "Pois, filho. É a vida... tem de ser, não é? E a tua menina?

    ""Olha, por acaso ainda está no escritório a trabalhar."

    "Ahhhh tadinha..."

    CLARO. EU QUE ME FODA, NÃO É? EU "É A VIDA", A OUTRA É "TADINHA".

    Fixe. Obrigado, mãe. Daqui a uns anos, quando a cadeira de rodas não se empurrar sozinha no lar, depois pode ser que oiças "Pois, mãe... é a vida. Tem de ser. Agora fica lá aí virada para a parede umas horas..."

     

  • Recentemente, a minha mãe começou a usar o smartphone como já todos usamos há uma série de anos. Coincidência ou não, há coisa de umas semanas, convidou-me para almoçar. Tudo bem até aqui, certo? Lá fui eu todo lampeiro com duas certezas na cabeça: vou comer que nem uma besta e trazer um saco com frutas e legumes. Quando acabei de comer, tive de ir descansar no sofá porque comer cansa. E quando dou por mim, tenho um smartphone melhor que o meu nas mãos.

    "Já viste o meu novo telemóvel?" - disse a minha mãe no tom mais arrogante possível.

    Tenho 35 anos e a minha mãe, pelos vistos, tem 16.

    "Vê lá se está tudo bem com isso..." - ouvi eu de seguida.

    Não percebi bem o sentido da pergunta.

  • 8:30/9:30 - motivo: carta das Finanças ou Tribunal.8:30/9:30 - motivo: carta das Finanças ou Tribunal.

    9:30/12:00 - (não liga porque não quer interromper o meu trabalho)

    12:30/13:30 (hora de almoço) - pergunta-me se estou a almoçar, porque não quer interromper o meu almoço.

    14:00/19:30 - (não liga porque não quer interromper o meu trabalho)

    20:30/21:30 (hora de jantar) - pergunta-me se estou a jantar, porque não quer interromper o meu jantar.

    23:30/00:00 - motivo: provocar-me um AVC por julgar que lhe aconteceu alguma coisa e dizer "porra, quando ligo, parece que estou sempre a incomodar!"

  • É dia 11 de Janeiro e a minha mãe completa 59 anos. Já tinha este texto agendado e programado para sair a esta hora, além que me encontro a trabalhar neste momento e amanhã não vou ter tempo para escrever algo lamechas no Facebook para todos lerem e ficarem a saber que eu amo de coração a minha mãe. Posto isto, aqui vai: a minha mãe Maria Teresa não teve uma infância muito fácil. Criada nos bairros de Lisboa, por ali se deixou andar até conhecer um marialva do bairro vizinho com o nome de José. Estão a ver a cena? José e Maria. Eu podia muito bem ser o Menino Jesus! Do pouco que sei da sua adolescência, posso dizer que foi uma pessoa bastante à frente para a sua época. Não conseguiu prosseguir os estudos, por falta de vontade. E por vontade, entenda-se dinheiro. Eu acredito que se a minha mãe tivesse guito, era Ministra da Justiça e corria aquela escumalha a tupperwares com restos de pernil. Do fruto desta bonita relação entre uma escriturária e um marinheiro submarinista,

    ...

T-shirts

t shirts do ruim

T-shirts do Ruim na loja online do Cão Azul.

COMPRAR T-SHIRTS

O Livro do Ruim

livro do ruim

A compilação dos melhores textos da página e com prefácio do não tão conhecido Quimera.

COMPRAR O LIVRO

Quem?

ruim o rui conceicao

O auto-proclamado autor, guionista, blogger e comediante.